Pesquisar
Close this search box.

Economize até 35% na conta
de energia da sua empresa.

fields-of-wind-turbines-2707526_1280

Para GWEC, reunião do G20 deverá definir escolha por financiamentos a renováveis

Autor:
Da Agência CanalEnergia

Ministros de finanças do grupo se reúnem esta semana em São Paulo. Conselho acredita que montantes hoje direcionados a fontes fósseis sejam direcionados em prol de futuro sustentável

O Global Wind Energy Council avalia que a reunião dos Ministros das Finanças do G20, que será realizada nos dias 28 e 29 de fevereiro, em São Paulo (SP), será uma oportunidade crucial para a cooperação multilateral. Para o GWEC, um futuro sustentável e suprido pela fonte eólica traz a necessidade de que trilhões de dólares que são direcionados para projetos fósseis troquem de mãos e sigam para as renováveis em grande escala no Sul global.

Esta semana, os ministros que compõem o grupo, os bancos multilaterais de desenvolvimento e os governadores dos bancos centrais devem mobilizar financiamento de doadores direcionado para o Sul Global para reduzir o risco de projetos de energia eólica e renovável e mobilizar grandes somas de capital privado para garantir que as economias emergentes no Sul não fiquem para trás.

Segundo o conselho, para triplicar a capacidade de energia renovável até 2030, o investimento médio anual na geração renovável no período 2023-2030 precisaria atingir US$ 1,3 trilhão, em comparação com US$ 486 bilhões em 2022. A reunião desta semana é considerada fundamental para suprir as lacunas e os investimentos igualmente importantes e necessários para trazer a esta nova energia renovável – o que também implica que o financiamento para modernizar as redes e aumentar a flexibilidade do sistema também precisaria triplicar, de US$ 274 bilhões em 2022 para US$ 605 bilhões até 2030.

Ainda de acordo com o GWEC, o financiamento público é necessário para as infraestruturas básicas e para garantir o acesso à energia no mundo em desenvolvimento. O crédito também poderia ser usado para desenvolver setores de baixo carbono na indústria, nos transportes e na produção de produtos químicos e combustíveis. Sem esse fomento, a diferença no investimento, no desenvolvimento econômico e no avanço tecnológico entre o Norte Global e o Sul Global poderia crescer mais, em detrimento de bilhões de pessoas e do êxito de uma transição energética global justa e igual.

Há ainda a necessidade de um alinhamento dos fluxos financeiros com a transição energética e os objetivos climáticos, afastando-se dos combustíveis fósseis, conforme acertado no texto da COP28. Segundo o conselho, só em 2022, os fluxos financeiros públicos para os combustíveis fósseis nos países do G20 atingiram US$  1,4 trilhão em 2022, valor maior que o dobro dos níveis de 2019. Houve ainda um apoio dos governos que fazem parte do grupo à indústria global fóssil através de ajuda internacional, apoio ao crédito à exportação e financiamento numa média de US$ 50 bilhões por ano, de 2019 a 2021.

LINK PARA MATÉRIA

Compartilhar no:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

2 de abril de 2024