Conta de luz pode subir quase o dobro das projeções do BC

Autor:

Nesta quinta-feira, o Banco Central (BC) divulgou uma projeção bem
conservadora, na visão do mercado, para o aumento de preços da energia elétrica
para este ano – o reajuste será da ordem de 38%, segundo a ata da última
reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). O número já é maior do que o
visto na ata anterior, de janeiro, que apontava para contas 27,6% mais caras.
Contudo, ainda não contempla, para especialistas ouvidos pelo site de VEJA, a
real situação do setor elétrico. Segundo eles, a alta deve ser de até 65%.

Para justificar o reajuste, o BC cita que o bolso do consumidor será
impactado pelos repasses do custo de operações de financiamento da Conta de
Desenvolvimento Energético (CDE). A CDE é uma conta que foi criada para
desenvolver pesquisas e novos projetos para desenvolver o setor energético do
país, mas seu uso foi deturpado pelo governo para bancar o desconto na conta de
luz, prometido em 2012, e que teve de ser completamente revertido nos anos
seguintes. Como a conta era financiada pelo Tesouro, com as medidas de
consumidores.

Há ainda os empréstimos de quase 20 bilhões de reais que as
distribuidoras de energia tomaram entre 2010 e 2013, que terão de ser pagos a
partir deste ano, também por meio de reajuste nas tarifas. O ministro da
Fazenda, Joaquim Levy, está tentando convencer bancos a postergar esses
pagamentos em dois a cinco anos e, assim, aliviar um pouco o repasse de preços.
Outro empréstimo, de 3,15 bilhões de reais, também é negociado junto a
banqueiros para que as distribuidoras consigam bancar seus gastos. Além do alto
custo das térmicas e das parcelas dos empréstimos, a compra de energia da Usina
de Itaipu e os próprios custos de distribuição também devem pesar na tarifa.

Este ano, excepcionalmente, além do reajuste anual habitual, também
haverá uma revisão tarifária extraordinária, aprovada pela Agência Nacional de
Energia Elétrica (Aneel) para todas as distribuidoras do país. Juntando a isso
à inflação, que deve ficar entre 7,5% e 8% neste ano, o cenário é alarmante
para o bolso dos brasileiros.

A Safira Energia, consultoria do setor, estima que o reajuste médio do
setor fique em 54,7%, considerando possíveis acréscimos do sistema de bandeiras
tarifárias, que pode aumentar o preço da conta de luz à medida que a situação
climática piore – é um cálculo mensal. Fábio Cuberos, gerente de regulação da
Safira, explica que o BC pode não ter incorporado em seus cálculos as bandeiras
tarifárias, que representam 15,4 ponto porcentual dos 54,7%. As bandeiras,
explicou, não entram na conta das distribuidoras, mas são cobradas, de qualquer
forma, do consumidor. “As bandeiras tarifárias devem ficar vermelhas o ano
todo e impactar em cerca de 7,7% mensalmente a tarifa do consumidor”,
disse.

As projeções ruins não param por aí. A Thymos Energia prevê que o rombo no
setor elétrico a ser bancado pelos brasileiros seja da ordem de 115 bilhões de
reais. Segundo Ricardo Savoia, diretor de regulação da Thymos, esse montante
deve fazer com que a conta de consumidores de média tensão (comércio e pequenas
indústrias) suba 65% apenas este ano, já considerando a inflação de 2015. No
ano passado, houve aumento de 21% na tarifa – reajuste que já compensou a
redução de 20% decretada pelo governo em 2012. Já a PSR Consultoria tem
estimativas mais ‘otimistas’: de que o reajuste médio da tarifa para
residências será de 41%, no mínimo. “O racionamento de energia já deveria
ter sido colocado em prática desde o ano passado para reduzir o consumo e
conscientizar a população”, diz Savoia.

Na opinião do diretor-geral da CMU Comercializadora de Energia, Walter
Fróes, tudo indica que este será mais um ano difícil para o setor.
“Entraremos no período úmido em abril, com o nível dos reservatórios
abaixo de 2014, possivelmente. Ano passado entramos em 38%; agora estamos em
25% e dificilmente conseguiremos alcançar a meta de 33% nos poucos dias que
restam”, apontou. Fróes estima um reajuste médio das tarifas em 60%.
“Só não estamos piores porque a economia do Brasil não está
crescendo”, diz.

 

Compartilhar no:

Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *