Autor:
No mês de junho de 2014, o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) – preço ao qual são valoradas as sobras e déficits de energia – sofreu queda significativa, após passar vários meses em valores próximos ao patamar máximo legal (822,83 R$/MWh).
O grande destaque de junho foi a chuva que aconteceu na região Sul durante a 2ª semana (07 a 13 de junho). Inicialmente, a previsão de vazão para o mês no submercado Sul era de 149% da média histórica observada, denomina MLT (média de longo termo). Essas vazões acima da média resultaram no PLD de 577,15 R$/MWh para a 1ª semana. Na semana seguinte, 2ª semana, a previsão de vazão subiu para 232% da MLT, resultando em um PLD ainda mais baixo: 220,29 R$/MWh. Já na 3ª semana, a previsão de vazão foi ainda mais otimista do que as anteriores, em cerca de 325% da MLT, levando o PLD do submercado Sul ao preço mínimo legal para o ano de 2014 (15,62 R$/MWh).
A chuva na região Sul contribuiu para a queda do PLD porque atingiu principalmente as bacias do Rio Iguaçu e Rio Uruguai, nas quais se localizam os maiores reservatórios da região. O nível de armazenamento do Sul iniciou o mês de junho em 57,1% da capacidade máxima dos reservatórios e até 17 de junho já está em 85,8%.
As chuvas abundantes também atingiram o submercado Sudeste, principalmente as bacias do Rio Paranapanema e Rio Paraná, provocando aumento na previsão de vazão do Sudeste de 83 % da MLT (1ª Semana) para 100% da MLT (2ª Semana). O aumento das afluências foi tão significativo que a usina de Itaipu, localizada na bacia do Paraná, modelada no submercado SE/CO, chegou a verter mais de 10.000 m3/s, ou 10 milhões de litros por segundo.
Vale destacar que, apesar do grande volume de água disponível, duas ocorrências limitaram o escoamento da energia de Itaipu para o submercado Sudeste. A primeira foi a queda de duas torres da Linha de Transmissão de Corrente Alternada de 765kV, em 05 de junho, e a segunda foi a queda de outras duas torres na Linha de Transmissão de Corrente Contínua, em 07 de junho. Se não fossem essas limitações técnicas, o PLD do Sudeste poderia ter sido ainda mais baixo. 
Por último, outro fator que impactou o PLD ao longo dessas três semanas de junho foi a diminuição do consumo esperado em cerca de 1.200 MWmédios no Sudeste e em cerca de 300 MWmédios no Sul, da 1ª semana para a 2ª semana. Já da 2ª semana para a 3ª semana houve um aumento da projeção de consumo de 1.000 MWmédios no Sudeste e 100MWmédios no Sul, respectivamente. Esses ajustes de carga ocorreram em função da expectativa de diminuição e aumento da temperatura, respectivamente.

Compartilhar no:

Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *