Solatio negocia complexo solar de 1,2 GWp com Brookfield

Empreendimento está localizado em Janaúba (MG) e prevê investimentos de R$ 3 bilhões para sua construção, valor da transação não foi revelado

A Brookfield Energia Renovável firmou contrato com a Solatio para aquisição do complexo solar com 20 parques em fase final de desenvolvimento, totalizando 1.200 MWp de potência instalada. O investimento total nesses ativos é estimado em R$ 3 bilhões. O ativo ocupa uma área de mais de 3.000 hectares no município de Janaúba, norte de Minas Gerais.

O empreendimento deverá gerar energia suficiente para abastecer cerca de 1,2 milhão de residências e sua construção está prevista para iniciar ainda em 2020. A conclusão está prevista para 2022 ou 2023. Segundo comunicado, a transação está sujeita a condições usuais de fechamento, e deve ser finalizada até o quarto trimestre deste ano.

Essa é a segunda aquisição de empreendimento solar dessa divisão da Brookfield somente neste ano no Brasil. A empresa estreou em janeiro no setor fotovoltaico com a compra de um complexo de 370 MWp, localizado no Ceará, e atualmente em construção.Após a finalização destas construções, a Brookfield atingirá uma capacidade instalada superior a 3 GW no Brasil, com ativos hídricos, eólicos, de biomassa e solares. A Solatio possui origem espanhola e está presente no país desde 2009, sendo pioneira no segmento fotovoltaico. Com essa transação, a Solatio totaliza mais de 4,6 GWp de projetos desenvolvidos e vendidos. A companhia ainda possui em seu portfólio 8 GWp em diferentes estágios de desenvolvimento.Foram assessores da Solatio na transação, o Banco BV, CERES Inteligência, CMU Energia e Vilas Boas Lopes Frattari Advogados.

LINK PARA A MATÉRIA

Média mensal de adesões ao mercado livre é a maior desde 2016

O mercado livre de energia tem registrado ao longo de 2020 a maior média mensal de adesões de consumidores desde 2016. De janeiro a junho deste ano, cerca de 143 agentes por mês migraram para o Ambiente de Contratação Livre – ACL, frente a uma média de 118 em 2019. Os dados são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE.

Com esse movimento, o mercado livre encerrou o primeiro semestre com 7.812 consumidores habilitados, uma alta de 22,9%% na comparação com o mesmo período do ano passado. O resultado é reflexo principalmente do crescimento de 25% no número de consumidores especiais. O volume de consumidores livres também cresceu, cerca de 9%. Os cálculos já descontam os agentes desligados no período.

Somente em junho, o número de processos em andamento para adesão ao mercado livre cresceu 41% na comparação com o mesmo período do ano passado. No mês, foram registrados 1.049 processos de migração, sendo a maior parte de consumidores especiais, com 796 novos pedidos em análise.

Raio-X das migrações

Além dos consumidores, são agentes da CCEE as geradoras, distribuidoras, autoprodutoras e comercializadoras. Só em junho, 161 novos agentes se associaram à organização, sendo 129 consumidores especiais e 11 livres, além de quatro novas comercializadoras e 17 usinas classificadas como produtores independentes de energia.

Do total de consumidores que aderiram ao mercado livre em junho, 102 possuem carga de até 1 MW. Outros 22 possuem carga entre 1 MW e 1,99 MW e 11 adesões têm carga superior a 2 MW. O ramo de Serviços foi o que registrou o maior percentual de adesões.

Ao final do mês, eram 23 os comercializadores varejistas habilitados para atuação. Outras 21 solicitações estão sob análise.

LINK PARA MATÉRIA