Pesquisar
Close this search box.

Economize até 35% na conta
de energia da sua empresa.

Mountain valley during bright sunrise. Beautiful natural landscape

Indústrias buscam melhorar eficiência energética para reduzir emissões de CO2

Autor:
Canal Energia

Segunda fase do programa Aliança, parceria da CNI com a Eletrobras e a Abrace, vai disponibilizar R$ 20 milhões para atender 24 plantas industriais

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) junto com a Eletrobras, por meio do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), e a Associação dos Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace) lançaram a sua segunda fase de execução do Programa Aliança, que tem como objetivo promover a eficiência energética, com a implementação de processos capazes de diminuir o consumo e o gasto com energia e, consequentemente, contribuir para a descarbonização da indústria.

A versão 2.0 da iniciativa tem como meta atender 24 plantas industriais que fazem uso intensivo de energia em seus processos de produção. O objetivo é reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 40 mil toneladas e diminuir os custos operacionais em R$ 90 milhões ao ano. Nesta nova fase, três empresas já formalizaram adesão ao programa, são elas: a siderúrgica produtora de aço ArcelorMittal; a Schulz, especializada em maquinário; e a empresa de celulose Eldorado Brasil.

Para execução do programa, serão destinados a essas indústrias R$ 20 milhões. Cada empresa selecionada recebe um aporte de R$ 400 mil e precisa oferecer uma contrapartida no mesmo valor. Assume também o compromisso de implementar um plano de ação elaborado com a equipe técnica do projeto. Segundo o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Davi Bomtempo, o programa, além de reduzir as emissões, acelera a competitividade e a produtividade da indústria, pois prevê a redução no consumo de energia e nos custos operacionais.

Uma novidade nessa nova fase é a participação do Senai Cimatec, que passa a integrar o time de execução técnica do programa para realizar atendimento às empresas. “Vamos identificar gargalos e propor ações de redução energética. O atendimento da primeira empresa através do Aliança 2.0 já começou e o prazo para conclusão desta fase é de dois anos”, disse Otanea Brito de Oliveira, gerente de negócios do Senai Cimatec. A participação da instituição também busca internalizar a metodologia do Aliança para aplicações futuras. A ideia é a multiplicar o conhecimento adquirido com as fases piloto, 1 e 2.

Compromisso com a sustentabilidade

Participante do primeiro ciclo do programa, a ArcelorMittal busca repetir os bons resultados da primeira fase, a qual integrou em 2018 na unidade de Tubarão (ES). Dessa vez, a empresa optou por desenvolver ações na unidade da Vega do Sul, localizada em São Francisco do Sul (SC), e já foi realizada uma primeira visita técnica à planta industrial.

Gerente de produção de energia na ArcelorMittal Tubarão, Tarley Secchin, conta que, com o apoio da equipe do programa, a empresa pretende identificar oportunidades e desenvolver as ações que possam tornar mais eficientes os processos em Vega, focando primeiramente em propostas sem nenhum custo ou com custos reduzidos de implementação, e reforçando ainda mais o espírito de melhoria contínua e de otimização de seus processos.

Também com objetivo de aumentar a competitividade ancorada na sustentabilidade, a Eldorado Brasil identificou no programa uma maneira de acelerar seus processos. Por meio da iniciativa, a empresa pretende levantar oportunidades, classificá-las e apresentar um plano de trabalho, com a missão de promover eficiência energética, produtividade e sustentabilidade.

De acordo com o gerente executivo de Inovação e Tecnologia da Eldorado, Luiz Roberto Fernandes de Araújo, a indústria de papel e celulose vem se destacando na transição para uma economia de baixo carbono por meio de seus produtos, que são altamente recicláveis, substituindo outros menos sustentáveis no manejo de florestas e na preservação de reservas florestais, que são peça-chave para garantir que os impactos do aquecimento global sejam minimizados. “Trocar uma matriz energética que consome combustíveis fósseis e eleva os gases de efeito estufa por uma nova matriz, baseada em fontes renováveis e com baixa emissão de carbono, exige investimento de recursos em inovação e tecnologia”, destaca.

Para a Schulz, o programa é uma oportunidade de fazer algo customizado e específico para o seu processo, com investimentos compatíveis e retorno na economia de energia. Segundo o gerente de desenvolvimento de produtos da empresa, Thiago Chiarotti de Oliveira, a expectativa é reduzir o consumo de energia em até 15%. “Pretendemos encontrar uma forma de aproveitar o calor das peças fundidas para gerar energia elétrica ou esquentar a matéria-prima que será fundida”, explica.

Ele ressalta que a indústria, em conjunto com as operações logísticas, tem grande potencial de redução de pegada de carbono. “Tanto as montadoras de veículos como as principais indústrias do mercado já estão conscientes dessa responsabilidade e já estão colocando nos seus planejamentos estratégicos ações relacionadas a ESG, onde incluímos também a questão da pegada de carbono”, complementa.

Primeira fase atendeu 12 plantas industriais e economizou R$ 122 milhões por ano

A primeira fase do Programa Aliança atendeu 12 plantas industriais de setores como siderúrgico, químico, cimento e automobilístico. Em termos energéticos, 176 GWh deixaram de ser consumidos, o que seria suficiente para abastecer por um ano uma cidade de 60 mil habitantes. Ao todo foram identificadas R$ 198 milhões em oportunidades de redução de consumo, sendo 61% aprovadas e implementadas, gerando uma economia anual de R$ 122 milhões. A maioria dos projetos envolveu a otimização de processos, sem a necessidade de troca de equipamentos.

LINK PARA MATÉRIA

Compartilhar no:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

3 de julho de 2024